Page Nav

HIDE

Grid

GRID_STYLE

Últimas Petições:

latest

Ilhas Faroé. Nova matança de 250 baleias e golfinhos provoca “maré vermelha”

A chacina ocorreu esta quarta-feira e é comum nas Ilhas Faroé, sobretudo no verão. Os animais foram atraídos para a costa e mortos com arpõ...

A chacina ocorreu esta quarta-feira e é comum nas Ilhas Faroé, sobretudo no verão. Os animais foram atraídos para a costa e mortos com arpões. Uma multidão assistiu ao processo.
Cerca de 250 baleias e golfinhos foram mortos esta quarta-feira por pescadores na cidade de Torshavn, capital das llhas Faroé. Os animais foram brutalmente assassinados para a sua carne ser comercializada – algo que acontece frequentemente nesta região por esta altura do ano, quando estas espécies migram para norte. Após a matança, as águas das Ilhas Faroé espelharam o impacto deste autêntico banho de sangue.

Na imagem de capa: A água ficou pintada com o vermelho do sangue dos 250 animais mortos, um processo recorrente: todos os anos, são abatidas cerca de 800 baleias nas Ilhas Faroé.
AFP/Getty Images

A matança ocorreu esta quarta-feira na ilha Streymoy, a maior do arquipélago, noticia o Daily Mail. As cerca de 200 baleias-piloto foram “empurradas” por pescadores em barcos para a costa. Foram depois mortas com recurso a uma técnica especial — um arpão é espetado no pescoço dos animais para partir a sua espinha dorsal. No grupo de animais estariam ainda cerca de 40 golfinhos.
Os cadáveres das baleias e golfinhos foram depois arrastados para terra com recurso a ganchos espetados na carne. Voluntários das ilhas ajudaram no processo e uma multidão de espetadores juntou-se na praia para assistir às manobras.

Todos os verões, cerca de 800 baleias e golfinhos são mortos em público pela sua carne nas Ilhas Faroé. A caça destes animais consta na legislação do território, que fica entre a Islândia e Noruega e pertence à Dinamarca. A legislação abarca os métodos e o equipamento utilizado para a matança dos animais.

O Governo local defende que a caça de baleias-piloto é sustentável e ajuda a garantir que as 18 ilhas do arquipélago sejam o mais auto-suficentes possível. Cada baleia rende vários quilos de carne e pele – que os locais consomem. O Governo diz que evita assim a importação de comida, o que teria custos monetários elevados para a população e também para o ambiente.

Através das redes sociais, a organização Blue Planet Society denunciou a chacina. A organização fala num ataque “brutal e cruel”. “Cerca de 500 cetáceos já foram mortos para serem comidos nestas ilhas desde o inicio de 2019”, alerta a Blue Planet Society.



As baleias-piloto vivem cerca de 45 anos e podem pesar 800 quilos. A população de baleias-piloto no norte do Oceano Atlântico ascende a cerca de 778.000 animais. Só ao largo das Ilhas Faroé, habitam cerca de 100.000 baleias desta espécie.

Fonte: Observador (mantida grafia original)